CADA POEMA É UM FRAGMENTO DO POEMA GERAL QUE QUINTANA VEIO COMPONDO
DURANTE TODA A SUA VIDA

domingo

CANÇÃO DE DOMINGO


“A poesia não é refúgio, é um aprofundamento da vida”
 
 


A Rua do Poeta


Há uma rua em Paris, uma pequena rua, mas importante porque no centro, uma rua de uma quadra só, a que deram o nome do poeta Guillaume Apollinaire. Nessa ficam os fundos de dois edifícios públicos que só tem entrada pela frente e nenhuma porta do lado oposto. Nenhum endereço. Resultado: é uma rua que existe e não existe. Que está e não está. O que deve divertir e ao mesmo tempo deixar encantado o autor de “Chanson du Mal-Aimé”.

Porque o reino do poeta...bem, não me venham dizer que não é deste mundo. Este e o outro mundo, o poeta não os delimita: unifica-os. O reino do poeta é uma espécie de Reino Unido de Céu e da Terra.
E começo a desconfiar que foi por isso mesmo que um dia anotei numa de minhas CANÇÕES:

“O céu estava na rua?
A rua estava no céu?”

O que em verdade não deixa de ser uma interrogação afirmativa. E que terminava positivamente assim:

“Mas o olhar mais azul
Foi ela quem me deu!”

Esta peça, escrevi-a em princípios da década de 40, que foi quando li a noticia referente à rua do poeta. Assim, me perdoem se não consigo citar comprovadamente a data e a fonte. Aliás, em matéria de poesia – que importam as datas? O que importa, é que, com aquele batismo por uma rua assim, foi de fato um poema, um comovente poema que a municipalidade de Paris fez sem querer.

Mario Quintana in: A Vaca e o Hipogrifo

Canção de Domingo

Que dança que não se dança?
Que trança que não se destrança?
O grito que voou mais alto
Foi um grito de criança.


Que canto que não se canta
Que reza que não se diz?
Quem ganhou maior esmola
Foi o Mendigo aprendiz.


O Céu estava na rua?
A rua estava no céu?
Mas o olhar mais azul
Foi só ela quem me deu!
Mario Quintana in: Canções

Um comentário:

Vivian Pereira disse...

Sou fã de Mario Quintana e esse blog é maravilhoso!!!!!!!!!!!!!!!Já estou como seguidora e vou aparecer aqui mais vezes!!!

Um abç,

Vivi