CADA POEMA É UM FRAGMENTO DO POEMA GERAL QUE QUINTANA VEIO COMPONDO
DURANTE TODA A SUA VIDA

domingo

De Sapato florido

FOTO LUIZ EDUARDO ACHUTTI

Não sou ligado muito em questões técnico-literárias, prefiro captar na arte o sentimento, a emoção, a temática. Para alguns Quintana é classificado como neo-simbolista devido ao tom místico e espiritualista apresentado em muitos de seus versos. Para mim Quintana é poesia e isso basta.

OS FANTASMAS DO PASSADO

E não te lembras aquela vez em que...?

Faço que me lembro. Rio. Solto saudosos suspiros e exclamações de puro gozo. Oh! Que monstruosa e implacável memória a dos nossos companheiros de infância.

E depois, como estão envelhecidos, os pobres diabos!

É o que os torna ainda mais antipáticos.


DO INEDITO

E quando, morto de mesmice, te vier a nostalgia de climas e costumes exóticos, de jornais impressos em misteriosos caracteres, de curiosas beberagens, de roupas de estranho corte e colorido, lembra-te de que para alguém nós somos os antípodas: um remoto, inacreditável povo do outro lado do mundo, quase do outro lado da vida – uma gente de se ficar olhando, olhando, pasmado...Nós os antípodas, somos assim.

SAPATO FLORIDO, 1948

Um comentário:

Dulce disse...

Sabe, Bernardo, Mais de uma vez já me vi em situação assim quando um amigo de infância (ou nem isso) menciona algum fato que poderia até ter sido importante para mim e, sinceramente, não me lembro... E não sei se não me lembro porque na verdade não foi importante, mesmo, ou porque minha memória anda falhando... rs...
Ainda, e sempre, o poeta exprimindo o que nos vai n'alma...

Um abraço

Dulce