CADA POEMA É UM FRAGMENTO DO POEMA GERAL QUE QUINTANA VEIO COMPONDO
DURANTE TODA A SUA VIDA

sexta-feira

De: A RUA DOS CATAVENTOS - MARIO QUINTANA


XXX

Rechinam meus sapatos rua em fora.
Tão leve estou que já nem sombra tenho
E há tantos anos de tão longe venho
Que nem me lembro de mais nada agora!

Tinha um surrão todo de penas cheio...
Um peso enorme para carregar!
Porém as penas, quando o vento veio,
Penas que eram...esvoaçaram no ar...

Todo de Deus me iluminei então.
Que os Doutores Sutis se escandalizem:
“Como é possível sem doutrinação?1”

Mas entendem-me o Céu e as criancinhas.
E ao ver-me assim, num poste as andorinhas:
“Olha! É o Idiota desta Aldeia!” dizem...

in: A Rua dos Cataventos

2 comentários:

Dulce disse...

Bernanrdo

Pela qualidade deste blog e pelo seu esforço em divulgar nosso querido Quintana, o "Em prosa e verso" reservou para o "Quintana Eterno" um premio que considera especial.
Por favor, passe lá no meu cantinho para retirá-lo.
Um abraço

Dulce

lembrando Quintana disse...

Bernardo,
Adorei encontrar este teu espaço com esta tão linda homenagem ao nosso eterno Quintana. Eu também, como você, reservei um espaço só para ele. Venha fazer uma visita, ficarei bem feliz em trocar emoções sobre o Poeta, que eu considero ETERNO.
http://quintanaparasempre.blogspot.com/
Um abraço.
Estela