CADA POEMA É UM FRAGMENTO DO POEMA GERAL QUE QUINTANA VEIO COMPONDO
DURANTE TODA A SUA VIDA

quarta-feira

CECILIA MEIRELLES HOMENAGEIA QUINTANA

Jovem Quintana

Ontem este Blog teve o prazer de receber a visita de Luiz Carlos Amorim coordenador do Grupo Literário A ILHA, de Santa Catarina que também publica a revista MIRANDUM (Confraria de Quintana).
Hoje em continuidade à semana dos 103 anos de Mario Quintana posto justamente um texto publicado por Tânia F. Carvalhal publicado na revista MIRANDUM em novembro de 2008:

Conheci Mario Quintana na redação do Correio do Povo. Estava sentado, escrevendo a lápis, e me olhou com um sorriso manso. Nunca mais consegui separar o que li depois daquele olhar azul, daquele sorriso brando e da voz rouca que ouvi então. Mais tarde o revi muitas vezes e associei ao prazer de lê-lo, o encantamento de longas conversas nas quais sobressaia sempre sua lúcida inteligência e fina ironia.
No seu aniversário, queria mandar-lhe “uma imagem qualquer para os seus anos”, parafraseando-o no poema “A Carta”, no qual ele endereça à destinatária “o céu, todo este céu de Porto Alegre e aquela nuvenzinha que está sonhando, agora, em pleno azul”, Amplio essa primeira intensão e junto um poema intitulado “Cantiga”, que Cecília Meireles enviou a Quintana em 1944, e que ele mesmo cedeu ao Caderno de Sábado, para publicação em novembro de 1967:

Quando passarem os dias
E não mais se avistar
Nosso rosto, e o sereno
Modo nosso de olhar,

E a nossa evaporada
Voz não viver mais no ar,
E as sombras esquecerem
A que era a do nosso andar,

Vai ser doce pensar-se
-em que secreto lugar?-
nos sonhos que inventamos
ternos e devagar

no perfil que tivemos,
tão fino e singular,
e no louro e nas rosas
que o poderiam coroar,

e nos vergéis que sentíamos,
quando íamos a par,
ouvindo o amor que nunca
chegou a sussurar...

Cecilia Meirelles

Um comentário:

Tais Luso disse...

Bernardo...eu não disse um dia que esse teu blog é uma relíquia? Taí!
Que preciosidade esse texto, e que foto... Nunca tinha visto uma foto de Quintana jovem.

Continuarei seguindo o que postares, realmente deves tirar de algum baú muito empoeirado pelas marcas do tempo.

Ontem, vi numa livraria, livros e fotos de Quintana, de muitos anos. Pensei em te enviar. Mas depois achei que teu acervo deve ser enorme. E ficou só na vontade.

Bj
Tais luso